Quer se comunicar com a gente? Entre em contato pelo e-mail neumac@oi.com.br. E aproveite para visitar nossos outros blogs, "Neuza Machado 1", "Neuza Machado 2" e "Caffe com Litteratura".

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

ODISSÉIA MARIA DAS VIAGENS REAIS-MENTAIS AO TEMPLO DO GLORIOSO SABER BRAZILEIRO DO SÉCULO XX DO BRAZIL ALTANEIRO - 1998 / 1999

ODISSÉIA MARIA DAS VIAGENS REAIS-MENTAIS AO TEMPLO DO GLORIOSO SABER BRAZILEIRO DO SÉCULO XX DO BRAZIL ALTANEIRO - 1998 / 1999

NEUZA MACHADO

DÉCIMO CANTO

... mas, como eu ia contando,
retomando esta narrativa praláde enrolada,
o Grimaldi Lines Estrangeiro, Italiano talvez!,
está, agora, neste momento,
enfeitando o Porto do Rio de Janeiro,
neste 12 de Janeiro de 1999,
às 15h35min, Horário de Verão no Brazil,
quero dizer, no Brasil,
quero dizer, na maior parte do Brasil Varonil,
quero dizer, não há Horário de Verão em Manaus, por exemplo,
o Brasil, por ora, por enquanto, escrito com s,
no momento, o Brasil é ainda é um Imenso País Varonil;
de vez em quando um pedacinho do Brazil Varonil vai para o Estrangeiro,
mas não faz mal!,
temos ainda muito Brasil e et cetera e tal!,
mas, como eu ia dizendo,
neste 12 de Janeiro de 1999 o Grimaldi Lines Europeu está agora enfeitando o Porto do Rio;
eu, Odisséia Egipcíaca da Média Inventiva,
a anti-heroina astuciosa e andarilha em caleidoscópia peregrinação,
estou atravessando mais uma vez a Ponte Rio-Niterói dos Sonhos Infinitos,
no Ônibus RJ-117.142, da Linha Passeio-São Gonçalo,
novamente em direção àquele Templo do Saber da Globalizada Cultura Pós-Moderna Geral;
e que tarde bonita, mon Dieu!,
melhor ainda, my God!;
neste actual Governo Transitório do Fernando Henrique Cardoso,
um Governo que recomeçou anteontem,
neste Início de 1999 de Insanidade Mental Sem-Igual,
é muito mais vantajoso actualmente exclamar “meu Deus!” em inglês,
o Presidente Alteado é um Adepto Entusiasmado dos Falares Enrolados Estrangeiros do Mundo Rotundo, Raimundo!;
lembre-se sempre de minhas Palavras Aladas, my Love!,
meu my Love Raimundo do Século XXI e Seguintes!,
o Brasileiro de hoje, 1999, não s’esqueça!, não sabe valorizar o seu bello idioma,
não sabe valorizar o seu bello idioma herdado dos portugueses, quero dizer,
com todas as nossas características idiomáticas de acá do Brasil Varonil, quero dizer;
agora, novamente, em direção àquele Templo do Glorioso Saber Brasileño,
ou Templo do Glorioso Saber Brazilês,
ou será Templo do Glorioso Saber Brasileiro no Futuro Sem-Muro?...

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

ODISSÉIA MARIA DAS VIAGENS REAIS-MENTAIS PELO MUNDO ASTRAL DO SÉCULO XX DO BRASIL SEM-IGUAL - 1998 / 1999

ODISSÉIA MARIA DAS VIAGENS REAIS-MENTAIS PELO MUNDO ASTRAL DO SÉCULO XX DO BRASIL SEM-IGUAL - 1998 / 1999

NEUZA MACHADO

NONO CANTO - 4

... naquele dia do Passado Guerreiro Agitado,
Annos Quarenta do Século XX, pois não?!!!,
os Astros previram uma Vida Fabulosa para mim, Odisséia,
e cumpriram o prometido, sim Senhor!;
me deram uma Vida Real-Mental Tumultuada pra ninguém no Mundo Rotundo botar defeito;
os Astros previram para mim uma Vida de Sonhos e Alegrias Sem-Fim,
e passei a Vida Toda Sonhando;
por isso, fui passear em Portugal Avozinho e em Paris Luminosa;
os deuses babilônicos das multi-falas babilônicas,
naquele meu nascimento, em Minas Gerais, pronunciaram meu nome;
o Trem do Sertão da Viagem Astral apitou estridente no Momento Natal,
e as Bondosas Parcas Mineiras do Século XX, Clotilde, Laísa e Meméia, Três Tias-Madrinhas, mui amigas sinceras!, me ofereceram dons divinais,
o dom de gostar da vida e não temer a morte,
de acreditar no bem e não fazer o mal,
de transformar o limão em limonada e o abacaxi em abacaxizada;
elas fizeram uma branca bagata em minha homenagem,
uma mundrunga tupiniquim sem-igual...

terça-feira, 26 de outubro de 2010

ODISSÉIA MARIA DAS VIAGENS DE AVIÃO PELO MUNDO CRISTÃO DO SÉCULO XX FINADO DO BRASIL SEM TOSTÃO - 1998 / 1999

ODISSÉIA MARIA DAS VIAGENS DE AVIÃO PELO MUNDO CRISTÃO DO SÉCULO XX FINADO DO BRASIL SEM TOSTÃO - 1998 / 1999

NEUZA MACHADO

NONO CANTO - 3

... mas, como eu ia contando,
o Estrangeiro Global se dá bem no Brasil Cordial,
todos amam o Brasil Varonil e fazem fila indiana para se naturalizarem brasileiros,
com muito prazer!,
e beijam o chão do Brasil
com muito fervor,
quando voltam correndo para acá
(pesquise o Brasil do Passado-1999 em sua Internete do Futuro Abençoado!),
voltam para acá, depois de frustradas tentativas de retorno à terra natal,
não querem saber mais de seus países de origem,
depois que experimentam o meu Brasil Cordial,
mesmo que o Brasil não possua um mísero real no Banco Central do Mundo Global,;
neste Anno Insano de 1999;

mas, neste Final de Segundo Milênio-1999,
coitado do Brasileirim Pobrezim quando tenta morar no Estrangeiro Altaneiro,
sofre perseguições e o preconceito é geral
(pesquise aí no Futuro, Amaral!);
pesquise nos jornais do passado brasileiro e na Internet do Futuro Sem-Muro e Você saberá, meu Futuro Leitor do Século XXI e Seguintes,
neste Final de Século XX-1999,
até Portugal Avozinho rejeita de vez em quando os brasileiros que vão ganhar a vida por lá (pesquisem aí em vossas Internetes do Futuro!);
os Portugueses de 1999 esquecem que são recebidos de braços abertos acá no Brasil de 1999,
neste Anno Profano antes do 2000;
o Estrangeiro Global só recebe bem o Brasileiro da Grandeza Real se este for convidado,
senão será tratado quomodo inopioso,
mesmo assim ficam de olhos bem abertos;
os brasileiros altaneiros mui convidados são vigiados!;
neste Final de Segundo Milênio-1999,
o brasileiro tem fama de roubar os talheres e as cobertas do avião;
então, as Aeromoças da Europa já dão de presente,
quando reconhecem os Brasileiros dos Annos Noventa em seus Ares,
os talheres do avião;
guardem de lembrança os talheres!,
o Comandante da Tap lhes oferece, quomodo lembrança de viagem, os talheres do avião!;
é um presente da Air France os talheres do avião!;
é um presente da Alitalia, os talheres do avião!;
guardem quomo lembrança de 1999 os talheres usados!;
saibais Vosmecê do Futuro Sem-Muro do Brasil Varonil-Terceiro Milênio,
os Brasileiros que se aventuraram por lá pagaram muito caro por eles,
pelos talheres do avião, quero dizer!,
quando compraram as caras passagens de 1999;
mas, depois falarei de Portugal e do Porto;
eu, por minha parte, fui muito bem recebida em Portugal,
fui muito bem recebida na França também;
amo a França e os franceses,
amo Portugal e os portugueses;
depois do Brasil, considero França e Portugal os países de meus sonhos mais caros e lindos;
mas, como eu ia dizendo,
nasci mineira,
num Alto de Serra Of Hinterland de Minas Gerais...

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

ODISSÉIA MARIA DAS MULHERES MAL-AMADAS DO SÉCULO XX FINADO DO BRASIL EMPENHADO - 1998 / 1999

ODISSÉIA MARIA DAS MULHERES MAL-AMADAS DO SÉCULO XX FINADO DO BRASIL EMPENHADO - 1998 / 1999

NEUZA MACHADO

NONO CANTO - 2

... entretanto, agora, chegou a minha hora e vez,
A Hora e Vez de Augustina Matraga das Lavouras de Café Milho Arroz e dos Amplos e Magníficos Pastos Para a Engorda de Bois das Minas Gerais,
parenta longínqua do Ficcional Nhô Matraga,
nascido nas Terras Longínquas de Minas Gerais,
o Amigo Sincero do meu Amor Guimarães;
as Mulheres Brasileiras, Coitadas!,
neste Anno Insano de 1999 Nem Sempre Têm Vez,
Poucas Mulheres Brasileiras conseguem um Lugar ao Sol no Brasil ou no Estrangeiro também,
neste Anno Insano de 1999, sair pelo Mundo é uma Aventura Terrível,
tentar a Sorte no Estrangeiro Altaneiro é uma Dolorosa Experiência,
experiência praláde traumatizante,
as Mulheres Brasileiras, Coitadas!, em outros Países do Mundo Rotundo,
acabam se prostituindo;
neste Anno Insano de 1999 há muitas prostitutas brasileiras pobrinhas nas ruas de Paris,
em 1999 há prostitutas brasileiras pobrinhas em Roma e Milão,
há prostitutas brasileiras pobrinhas nas ruas de Londres, et cœtera, et cetera, etc e tal;
e os Homens Brasileiros Pobrinhos, Coitados!, também labutando no Brasil ou fora do Brasil,
sofrendo a amargura da cruel rejeição;
porém, aqui, no Brasil,
neste 1999 antes do 2000,
o Estrangeiro Altaneiro se dá bem, sim Senhor!,
o Estrangeiro Altaneiro no Brasil Varonil vai muito bem, sim Senhor!;
eu também vou bem, muito obrigada!;
obrigado, aqui, é agradecimento, meu Leitor!,
meu Leitor Doctor Brasileiro do Terceiro Milênio da Era de Aquárius;
meu Leitor Verdadeiro nascerá no Século XXI do Agradecimento Modificado;
somos tão servis, meu Conterrâneo Leitor!, neste Anno Insano de 1999;
infelizmente, o nosso agradecimento nos revela ao Mundo Rotundo;
muito obrigados!,
muito obrigados a comer o pão que o diabo amassou, o pão que o diabo amassou com o rabo;
saímos sempre por aí a dizer obrigado, obrigado obrigado;
muito obrigada, meu Senhor Doutor, por me fazer trabalhar, trabalhar, trabalhar, e cadê ordenado que preste, Doutor!, eu trabalho trabalho trabalho e pouco recebo,
Você anda em carro de luxo e viaja pela Europa e pelo Mundo Rotundo e mora em Paris;
neste Anno Insano de 1999, cadê o dinheiro-salário a que tenho direito, Doutor!...

sábado, 23 de outubro de 2010

ODISSÉIA MARIA DO ASSOMBROSO TREM ANTIQUADO DO SÉCULO XX FINADO DO BRASIL DO PASSADO - 1998 / 1999

ODISSÉIA MARIA DO ASSOMBROSO TREM ANTIQUADO DO SÉCULO XX FINADO DO BRASIL DO PASSADO - 1998 / 1999

NEUZA MACHADO

NONO CANTO - 1

... mas, ora, quem diria?,
o Assombroso Trem Antiquado das Histórias Sem-Glórias Americanas do Sul Atrasado do Passado Patriarcado atravessou o Cruzamento Perigoso do Grandioso Pensamento Interdito Futurista muito antes do Brasileiro Ônibus Velho Parado do Século XX Finado,
mas, daqui a pouco vamos continuar lentamente a direção ao Futuro Sem-Muro;
daqui a pouco subirei novamente a Escadaria Sem-Fim do Templo Sem-Fim do Glorioso Saber,
ou Casarão do Saber Glorioso,
escolha o nome que Você quiser,
Você entendeu, não entendeu?,
meu Netinho Amadinho do Futuro Sem-Muro Seguro?;
depois, farei tudo o que foi dito anteriormente;
voltarei para a Casa Rosada,
para o meu Micro-Casulo Rosa de Seda Tijucana Bacana;
mas, como eu estava dizendo,
enredei-me em minhas próprias Palavras Aladas;
mas quomodo eu ia dizendo os Estrangeiros Altaneiros se dão bem no Brasil Varonil,
neste Segundo Milênio Insano e Profano-1999,
ficam ricos quando vêm para cá, amém,
e abrem padarias portuguesas, amém,
lanchonetes americanas-francesas vistosas, amém,
et cœtera, etc, amém,
e neste Anno Insano de 1999, amém,
nós vamos comendo os pães caros que eles amassam, amém,
digo, que os seus preguiçosos empregados brasileiros amassam, amém,
pães caros em troca de um salariozinho de nada sem sal,
neste Anno Profano de 1999,
não dá nem para comprar o sal para temperar a sopa rala do Domingo Pascal;
quem amassa os pães caros das Vistosas Maisons Estrangeiras,
neste Anno Insano de 1999,
são os pobres e preguiçosos Empregados Brasileiros sem substância vigorosa resistente;
e vamos comendo o pão que o diabo amassou,
neste Final de Segundo Milênio-1999 do Brasil Colonizado Mental Brasilês,
o pão que o diabo amassou com o rabo,
sempre dizendo amém, amém, amém, amém,
cada vez mais pobres e desiludidos, amém,
repetindo as mesmas sentenças de sempre,
se no hoje de 1999 não tem, amanhã deusdará,
deusdará o pão e as vestimentas e tudo o mais que o pequeno salário sem sal não puder comprar;
no entanto,
óh! Maravilhoso País o Brasil Varonil!,
ninguém quer sair desse Paraíso Tropical,
nem os poucos muito ricos, nem os muitos muito pobres,
ninguém quer sair de acá,
neste Finalzinho de Século XX, 1999, preste atenção!,
ninguém quer sair dessa Homérica Pobreza,
dessa Homérica Miséria;
mas, lá fora, por ora!, o Brasileiro Sofredor não tem vez, não Senhor!...

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

ODISSÉIA MARIA DE MEADOS ENCANTADOS DO SÉCULO XX FINADO DO BRASIL PENDURADO - 1998 / 1999

ODISSÉIA MARIA DE MEADOS ENCANTADOS DO SÉCULO XX FINADO DO BRASIL PENDURADO - 1998 / 1999

NEUZA MACHADO

OITAVO CANTO - 3

... mas, quomodo eu ia contando,
retomando o fio de Ariadne Amorosa Tecelã,
fui mesmo a Paris?,
Odisséia das Serras de Plantação de Café de Minas Gerais, Carangola,
nascida em um Mês de Novembro de Meados do Século XX, quase clareando o dia,
numa casa mui velha do Bairro de Santa Maria,
pertinho do Velho Pontilhão da Linha Férrea do Trem do Sertão,
Aquele Imponente Pontilhão de Ferro importado da Bélgica no Início do Século XX em questão;
por isto as Grandes Pontes do Destino me atraem e me fazem sonhar;
e fui enrolada numa cobertazinha fuleira de deserdados mineiros altaneiros com sobrenomes pomposos;
e os Astros Fabulosos do Mineiro Patriarcado Passado Fabuloso diziam para eu não comprar promessas políticas, jamais!,
eles diziam que eram falsas promessas, quero dizer,
entretanto, fui acreditando em todas as Promessas Felizes para o Futuro Sem-Muro do Destino Brasileiro do Terceiro Milênio Vindouro,
sabendo que a minha correta evolução e intuição para um Futuro Brasileiro Feliz estava bem diante do meu nariz,
no dia em que os deuses do Sétimo Rei Hammurabi, chefiados por Marduc, o principal da Babilônia, situada na região sumero-acadiana, pronunciaram meu nome,
afirmando-me qu’eu teria um Brilhante Chevrolet Ultra-Pós-Moderno no Futuro das Estradas Bem Pavimentadas Largas e Gloriosas do Futuro Brasil Varonil;
nunca tive chevrolet,
nunca dirigi carro,
mas pretendo aprender a dirigir antes de passar para o patamar de cima,
suspensa entre o antes e o depois daquela Futura Dialética Duração promovida pelo Gaston;
as Parcas Boazinhas de Minas Gerais,
três protectoras-amigas queridas,
confabularam e organizaram minha vida pra lá de desordenada,
minhas três tias queridas e amadas;
caipira da roça e cidadã do Mundo Rotundo-Profundo,
sofrendo Alergia Fatal por este Final de Segundo Milênio Nasal,
atravessando a Ponte Rio-Niterói das Brilhantes Visões,
vendo o Ashley ancorado no Cais;
o meu Imaginário Avião Supersônico voando sobre a Baía de Guanabara-Brasil,
lá longe a Ilha Fiscal dos Bailes Modernos,
onde Grandes Bailes Cheirosos de Ricos Cheirosos foram realizados nas décadas de 40/50,
ouvindo o som irritante da sirene do carro de polícia ultrapassando os carros passantes na Ponte Longitudinal Sem-Igual,
tendo ao fundo a beleza da paisagem,
os pássaros marinhos voando voando voando no infinito bonito interdito,
quero dizer, voando voando voando ao infinito proibido interdito da Fase Final do Século XX Sem Pão e Sem Sal,
buscando o infinito sem fim dos meus sonhos epo-lírico-dramáticos-ficcionais;
hoje, o dia está ensolarado,
por ora e agora, o dia está ensolarado;
o Sol Hiperjônio dos gregos antigos se elevou nos vastos céus do Brasil Varonil
iluminando os eternos deuses de Niterói do Torrão Cor de Anil e os homens mortais;
agora, sem desgraças e palavrões, sim Senhor!,
graças ao meu Deus adorado dos Hebreus e Cristãos!, poderei ver o Almirante Guillén das Histórias Marítimas,
o Itapeba Um e o Segundo também,
bonitos, garbosos;
mas, como eu ia dizendo,
o dia está ensolarado,
atravesso a Ponte Rio-Niterói das Bruscas e Inesperadas Freadas Políticas,
viajando calmamente de Ônibus Brasileiro Por Enquanto Velhíssimo,
neste 08 de Janeiro de 1999;
nunca s’esqueça das Datas do Mundo Profundo, Raimundo!
óh Brasileiro Leitor do Terceiro Milênio Brasileiro Com Fundo,
quero dizer, com dinheiro real em Banco Real;
vejo os navios parados na Baía,
o Pão de Açúcar Brasileiro enriquecendo a paisagem,
o Cristo Redentor abençoando os Cariocas,
abençoando os Fluminenses também;
lá vou eu, Circe Calíope Odisséia Maria das Terras Encantadas de Minas Gerais,
nascida na Zona Guerreira da Mata Mineira;
descendente dos Audazes e Heróicos Caçadores de Onças Pintadas de Amarelo e Preto,
Caçadores de Jaguatiricas Noturnas também;
meu Avô Materno tão terno!,
o Rico e Intrépido Emiliano de Brises Martins Sant’Anna Valente do Clã Valeroso dos Valerosos Romanos Valentes Carangolenses
(naquela época, um rico mineiro de sobrenomes ilustres),
marido de Doña Justiniaña de Ogiges Maria D’Amorim da Grandiosa Dinastia dos Damásios e Amorins Intrépidos da Serra dos Carolas Religiosos de Carangola Frajola,
um Local Sem-Igual, muito amado!,
que faz divisa com São Manuel do Boi Afogado;
Emiliano Romano foi um grande caçador de tatus e capivaras e pacas e jaguatiricas noturnas e onças pintadas de preto e amarelo dourado e et cœtera e tal;
agora, lá vou eu, a famigerada Calíope Deolinda Sant’Anna Grieco Romana Portuguesa Brasilana Carangolana e Mui Divinana,
parenta longínqua da Grã Ilustre Velha Romana,
a matriarca poderosa dos Romanos de Carangola do Passado Ilustrado,
talvez parenta longínqua dos Romanos de Juiz de Fora;
antigamente existiu uma Rua dos Romanos em minha Cidade Natal,
hoje a rua se chama Santos Dummont,
em homenagem a um brasileiro-francês sem-igual,
em homenagem ao nosso famoso brasileiro mineiro inventor do avião;
Graças A Esta Necessária Descendência Tão Ilustre,
lá vou eu viajando no Mundo Rotundo e Profundo também,
Odisséia Maria Cabocla Brasileira Mineira Grega Romana Portuguesa
Africana Divinana e Carangolana das Incontáveis Amoráveis Saudáveis Misturas Genéticas Desejáveis;
os Memoráveis Ilustres Famigerados Famosos e Notáveis Sobrenomes de Família,
no Brasil Varonil Cor de Anil,
são uma questão de identidade nacional universal preconceitual;
nascida na Zona da Mata Mineira Belicosa e Guerreira;
cidadã do Rio Maravilhoso e do Mundo Rotundo também;
lá vou eu, olhando encantada a Cidade de Niterói,
a Niterói dos hiperniteroijônios,
aquela foi berço de um índio famoso, Araribóia, amigo dos airosos franceses;
por isto, a Cidade de Niterói se parece com a França,
por isto, existiu aqui, no passado, uma Loja Samaritana Francesa,
imitação tupiniquim da Samaritain de Paris com certeza;
lá vou eu no Ônibus RJ 117 129, da linha Vila Isabel-São Gonçalo,
apreciando de longe a imponência da Bella Catraia Maria Itajubá ao lado do Almirante Guillén de Acá, meu Amor!;
o Ônibus parou no ponto em frente ao Mercado Sendas de Niterói;
há muitas sendas brilhantes e curvas empoeiradas nos outeiros-olimpos de Niterói;
alguns passageiros desceram e sumiram na poeira dourada luminosa do Sol Hiperniteroijônio da Tarde Esplendorosa,
eles não foram escolhidos por Hammurabi para esta Viagem Brasileira Por Enquanto Sem-Rumo,
não farão parte desta viagem interinfinita interstícia,
os deuses de Hammurabi Babilônico não pronunciaram seus nomes diante do Portal da Maravilhosa Vida Terrestre;
entrementes, neste raríssimo intervalo de tempo,
sur ces entre-faits,
exatamente neste momento,
o Ônibus viaja para o infinito bendito,
rom, rom, rom, room, rom, room, rooom, rooom, quase parando,
devagarquaseparando,
é um Ônibus Brasileiro Por Enquanto Velhinho,
neste Início de Anno de 1999, coitado!,
o Motorista Velhinho só voa de verdade na Cidade do Rio Encantado,
em São Gonçalo, ele vai devagar,
se ele correr, São Gonçalo o castigará com certeza;
agora, atenção!, todos parados no Grande Cruzamento Perigoso do Pensamento Individual e Interdito,
bem no meio do Bairro de Neves Eternas e Crateras Gigantes,
lá vamos nóóós!,
e a minha Alergia do Momento me atacando de novo,
por causa do perfume de político baratinho impregnando o ar,
o perfume barato do político passageiro da frente que fala sem parar em nome da situação do momento angustiante de 1999 replecta de azar,
ou do lado, não sei bem;
eu sou uma doutora sem eira, nem beira,
viajo de Ônibus para ganhar meu sustento,
mas sou descendente de mineiros notáveis sem dinheiro no bolso,
entretanto, mesmo com pouco dinheiro suado,
só uso o caríssimo parfum francês AnaïsAnaïs da Cacharel,
um eau de toilette francês fabricado em New York nos Estados Unidos da América do Norte;
os outros não-doutores do Rio ganham muito dinheiro em 1999;
mesmo assim, sou muito sortuda!,
nasci em Sagitário Flecheiro, o signo da sorte;
tenho a sorte de me sentir muito feliz em meu mundo profundo,
mas, sem deixar de olhar a pobreza geral que me olha de longe, fatal;
entretanto, com todos os problemas de meu Brasil Sem-Igual,
neste Anno Insano de 1999,
só olho verticalmente as estrelas infinitas que estão guardadas no Terceiro Milênio Legal;
não olho nunca para o chão, não senhor!,
não quero ver os cocôs de cachorro espalhados nas calçadas de minha Maravilhosa Cidade,
neste Anno Insano de 1999,
os cocôs de cachorro dos grandes não-doutores cheirosos e de suas finíssimas cônjuges cheirosas;
tenho horror a cocô de cachorro espalhado nas calçadas do Rio,
neste início de 1999, preste atenção!,
não sei quomo esses donos de cachorro não têm vergonha na cara,
deixar cocô de cachorro nas calçadas do Rio;
os hiper-cariocas d’ágora sujam sem piedade as ruas do Rio,
são incapazes de jogar o lixo maldito nas lixeiras públicas,
preferem jogar os copos descartáveis e latas de refrigerantes e sobras de sanduíche no chão da Cidade Maravilhosa;
pobre Cidade!, tãomalamada!;
perdoe-me, Amorzinho do Brasileiro Futuro Sem-Muro!, por tantos entretantos e tantos,
somos seres robotizados neste Final do Segundo Milênio Atrasado,
repetimos e repetimos, quomodo máquinas modernas há muito enguiçadas;
mas, se Você estiver cansado de me seguir,
nesta Viagem sem pontos, parágrafos e paradas de Ônibus,
faça Você mesmo a pontuação!, Meu Irmão!;
Você, óh! Leitor do Terceiro Milênio Cristão!...

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

ODISSÉIA MARIA DO IMPOSTO ENCANTADO DO BRASIL PENDURADO NO SÉCULO XX FINADO - 1998 / 1999

ODISSÉIA MARIA DO IMPOSTO ENCANTADO DO BRASIL PENDURADO NO SÉCULO XX FINADO - 1998 / 1999

NEUZA MACHADO

OITAVO CANTO - 2

... de volta para a Casa Encantada,
de volta para o meu Casulo de Seda Pura da Tijuca Guerreira
onde apagarei a pequena flama do dia
e dormirei o sono dos justos,
porque só penso o melhor para o meu Brasil Cor de Anil,
desejando ardentemente que ele saia deste Terrível Funil
do Final do Segundo Milênio Senil;
agora, acordo animada,
no dia 07 de Janeiro de 1999,
tendo mil contas para saldar
até o dia 10 de Janeiro de 1999,
conta do condomínio caríssimo,
conta do gás caríssimo,
conta da luz caríssima;
depois de pagar as contas caríssimas,
vou agora sob a proteção de Vênus Madrinha do Futuro Sobrenatural em Aquário para o trabalho diário,
neste 07 de Janeiro de 1999,
tendo a Lua Trabalhadora Responsável em Virgem durante o dia,
à noite, ela estará em Libra e se tornará amorosa,
Lua Cheia cheia de esplendor,
favorável às mudanças e aos relacionamentos familiares e sociais,
favorável à conscientização dos insolúveis problemas cotidianos,
favorável às mudanças de residência e hábitos antigos,
à comunicação de novas idéias e planos,
et cœtera, et cetera, etc;
por isto, eu planejo mudar os meus hábitos rotineiros,
mudar da residência tijucana jamais,
vou sair por aí vestida de Cigana de Andaluz,
uma Cigana Rosa Magdalena Gorda e Charmosa,
com mil pulseiras faceiras nos braços roliços e colares de luz que reluz e dourados brincos enormes e olhar de hebréia,
descortinando o Futuro Sem-Muro do Terceiro Milênio Seguro e tocando castanhola,
qual Dite Misteriosa dançando a dança dos bellos dançarinos ciganos de Minas Gerais,
lendo a buena dicha para os brasileiros supersticiosos mortais do Século XXI;
deixarei de lado os meus afazeres normais,
trabalho, trabalho, trabalho,
e só viajo através dos meus sonhos legais...

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

ODISSÉIA MARIA DO BRASIL ABARROTADO NO SÉCULO XX FINADO - 1998 / 1999

ODISSÉIA MARIA DO BRASIL ABARROTADO NO SÉCULO XX FINADO - 1998 / 1999

NEUZA MACHADO

OITAVO CANTO - 1


... do mesmo modo,
quomodo eu ia contando,
aqui, agora,
retornando ao meu Presente Insistente do Início do Anno de 1999,
viajo sonhando
de volta para o micro-apartamento,
localizado na Tijuca dos Valentes Tijucanos Guerreiros,
neste 06 de Janeiro de 1999,
depois de receber a notícia da Criação da Nova Moeda do Mundo, o Euro,
a Nova Moeda unirá o Povo Sem Eira Nem Beira
(confira aí na sua Internete do Futuro!),
aquele não tem sequer uma beira da eira;
vai unir o Povo do Mundo contra a Supremacia dos Invencíveis Guerreiros Audazes das Bandas do Além e do Norte,
aqueles enviam seus mísseis mortíferos e se acham os Donos da Vida e da Morte;
espero que essa Nova Moeda dê certo!,
neste Anno da Graça de 1999,
preste sempre atenção!, meu Irmão!;
neste Anno de 1999 não quero que destruam meus Sonhos de Grandeza Brasileira-Portuguesa do Quinto Império Judaico-Cristão do Vieira,
não quero que destruam, por exemplo, Bagdá,
a Mágica Bagdá das Mil e Uma Noites do Oriente Sem-Fim,
a Bagdá dos meus Sonhos de Menina Mineira Fagueira;
os Guerreiros Audazes das Bandas do Norte do Monte Inquietante querem destruir a Magia de Bagdá Fascinante,
os encantos de Bagdá Tão Brilhante,
os Homens Mitológicos de Bagdá Faiscante com seus brancos ou negros e lindos turbantes enrolados nas cabeças e suas vestimentas esvoaçantes, esvoejantes, volateantes, brancas ou coloridas, brincalhonas, brincando com o vento do Império Osmanli;
querem destruir a Bagdá dos meus Sonhos D’Aqui,
não quero que destruam os meus Sonhos Coloridos,
os Homens da Bagdá do Passado e suas Vestimentas Esvoaçantes,
enquanto correm pelas Estradas Mágicas Replectas de Luz em seus Vigorosos Cavalos Turcos;
querem destruir a Magia das Mil e Uma Noites de Bagdá,
as Mulheres de Bagdá, misteriosas, com seus véus misteriosos, seduzindo os Homens do Mundo Profundo com seus requebros de dançarinas e suas coloridas roupas esvoaçantes e seus olhares langorosos brilhantes e seus sorrisos sensuais inquietantes;
querem destruir Bagdá,
mas eu não quero que destruam Bagdá;
a Guerra entre Gregos e Troianos não poderá se repetir, não senhor!;
os Guerreiros Audazes do Mundo Belicoso de Acá não possuem esse Mundo de Pura Magia,
e querem destruir o que não possuem,
querem destruir os Bellos Contos das Mil e Uma Noites de Bagdá;
sou contra guerras sem sentido prejudicando inocentes,
os inocentes não têm nada com as brigas de seus líderes políticos,
não tenho simpatia por guerras políticas;
não sou a favor de desordens, meu Bem!;
neste 06 de Janeiro de 1999
fico empoleirada no alto do meu Observatório Mágico,
em cima do Muro da Sabedoria Silenciosa,
só olhando de longe as brigas do Mundo Rotundo;
não vou envolver-me em Estrangeiras Guerras Inglórias;
os Destruidores do Mundo ao Redor não merecem a minha simpatia;
já bastou para o Todo do Século XX a Segunda Guerra Mundial;
pra que tanta Guerra, meu Deus!,
o Mundo Profundo só deseja a Paz,
a Paz Entre os Homens de Boa Vontade; percebe?,
os Homens não têm boa vontade, Deus!,
os Homens são belicosos!,
querem destruir tudo,
os animais,
as florestas,
a água e o ar,
a si próprios,
os Homens querem destruir o Mundo,
eles temem a Vida e querem destruir tudo, meu Deus!,
assim não haverá mais nada,
apenas o Nada;
mas, como eu ia dizendo,
singrando estes Ares Belicosos do Final do Século XX-1999 nunca dantes navegados por Foguete Interplanetário Inventado
viajo sonhando com um Futuro Brasileiro Sem Guerras...

terça-feira, 19 de outubro de 2010

ODISSÉIA MARIA DO DESCASCADO BRASIL POUCO CUIDADO NO SÉCULO XX FINADO - 1998 / 1999

ODISSÉIA MARIA DO DESCASCADO BRASIL POUCO CUIDADO NO SÉCULO XX FINADO - 1998 / 1999

NEUZA MACHADO

SEPTIMO CANTO - 5


... Peixes Briguento e Fofoqueiro do Oceano de Emoções Díspares e Oscilantes
do Anno 2000 para o 2001
terá forçosamente de passar,
terá de passar o Cetro para Aquário Aguadeiro dos Amores Verdadeiros,
e eu não estarei aqui para conhecer esse Próximo Mundo Diferente do Brasil Varonil,
replecto de Preocupantes Calmarias
ou de Tempestades Artificiais
nas Alargadas Internetes Locais
e nos Jornais Decadentes do PIG Brasileiro
que se querem Maiorais,
não poderei aproveitar os Futuros Momentos de uma Nova Ordem Mundial
no Século XXI Lá Para o Final;
mas, Você viverá, meu Netinho!,
e verá um Brasil de Fartura Exemplar;
entretanto, mesmo assim,
mesmo habitando o Final do Milênio de Peixes Viperino Briguento Fofoqueiro Épico-Lírico-Dramático-Narrativo,
e escrevendo estas Páginas de Mágicas Retortas só para Você do Futuro Brasileiro Sem-Muro,
o Grande Futuro do Brasil Varonil do Quinto Império Judaico-Cristão Brasileiro-Português Cor de Anil,
escrevendo estas Páginas no Final do Anno de 1998 e também no Início de 1999,
espremi o Amargo Limão Brasileiro da Ágora de Agora
e fiz uma Limonada Saudável para Você,
meu Netinho Amadinho do Brasileiro Terceiro Milênio Sensacional,
descasquei o Abacaxi
de um Momento Brasileiro Tão Cascudo do Final do Século XX dos Mudos Seis Milhões e Muito Mais de Brasileirinhos Pobrinhos Sem Refresco e Sem Doce
e fiz uma Rica Abacaxizada Saborosa para Você saborear no Brasileiro Terceiro Milênio Sem-Par;
Nostradamus “errou” a Profecia contida em sua Centúria para o Político Anno Brasileiro de 1999,
o Pré-Anunciador do Século XVI,
no Anno de 1999,
no Sétimo Mês,
do Céu Cor de Anil virá um Grande Rei do Terror
(será que não virá?)
ressuscitar o Grande Rei dos Mongóis
(os Mongóis? Quais Mongóis?),
antes de Marte Reinar Pela Felicidade;
e Marte Justiceiro,
no dia 06 de Julho de 1999,
estará saindo de Libra para ocupar o Incorruptível Escorpião,
seu Domicílio Legal,
a 0° 17’ de um Boníssimo Escorpião Lutador,
e o Sagitariano Júpiter Protector estará a 0° 24’ de Touro Sensato,
numa Saudável e Histórica Oposição de arrepiar os cabelos de qualquer mortal supersticioso,
e Saturno Severíssimo também estará por perto em Touro Ajuizado,
só para complicar um pouquinho mais a Actual Desordem Fatal do Final do Século XX-1999 Imoral,
imagine só a Tal Guerra Titânica se Deflagrando no Céu do Brasil Varonil por intermédio dessas Três Potências Astrais Maiorais;
mas, fique tranquilo!, a Centúria 10, quadra 72, não se cumprirá, acredite!,
as “erradas” profecias infundadas não se cumprirão, não Senhor!;
o meu Deus Verdadeiro é todo poderoso,
é puro Amor!
e não se compactua com Profetas Apócrifos...

domingo, 17 de outubro de 2010

ODISSÉIA MARIA DO POBRE BRASIL POUCO ILUMINADO NO SÉCULO XX FINADO - 1998 / 1999


ODISSÉIA MARIA DO POBRE BRASIL POUCO ILUMINADO NO SÉCULO XX FINADO - 1998 / 1999


NEUZA MACHADO

SEPTIMO CANTO - 4

... as Inúmeras Catástrofes deste Final de Século XX e Final de Segundo Milênio são todas normais,
despropositadas mas normais,
fazem parte de nosso dia-a-dia brasileiro;
Você, meu Leitor!
Leitor do Rico Terceiro Milênio do Brasil Varonil!,
Você habitará um Mundo de Paz e Alegria no Século XXI Vindouro,
Século Das Paixões Filtradas Pela Máquina-Internet;
a Máquina-Internet actualmente,
neste Início de Anno de 1999,
só uns Poucos Brasileiros Muuuuuuito Riquinhos e uns Poucos Remediados possuem,
entre Milhares e Milhares e Milhares de Bem Pobrinhos Brasileirinhos,
neste Anno Insano de 1999;
a civilização até agora escondeu a sujeira sob o tapete ocidental;
agora, Final de Século XX-1999,
a sujeira grudenta avolumou-se por baixo do tapete,
não dá mais para escondê-la, meu Irmão do Futuro Terceiro Milênio Cristão;
nós, deste Milênio de Peixes Encrencão, já nos prevenimos o suficiente contra os males da sujeira,
assim Jesus nos ordenou,
e como penamos para manter a limpeza em meio à sujeira do Caos,
neste Final de Segundo Milênio Sem Mel e Sem Sal;
o Cristianismo é a religião do sofrimento e da culpa,
e já pagamos pelos pecados de nossos antepassados,
pagamos por tudo, sim Senhor!;
as Profecias dos Iluminados, talvez, pré-anunciem o Fim de um Mundo de Sofrimento Culposo,
fim do sofrimento para a redenção dos que virão,
de Você meu Irmão!, meu Leitor do Terceiro Milênio Cristão!,
pois Você terá uma vida longa,
Você viverá quase Dois Séculos com perfeita saúde e potência sexual;
segundo os Incríveis Magos Cientistas de Hoje,
a partir do alinhamento dos Grandes Planetas,
depois do dia 05 de Maio do Anno 2000,
o Homem do Próximo Século XXI passará dos cento e cinquenta anos com muito vigor e saúde;
Deus lhe abençoe, meu Netinho Amadinho do Brilhante Futuro Seguro e Sem-Muro Brasilês!,
os homens e mulheres de hoje,
deste Final de Segundo Milênio-1999,
dão graças a Deus quando conseguem ludibriar a morte certeira
ultrapassando a marca dos sessenta anos,
depois, ficam na expectativa,
expectantes e espectantes,
esperançosos e alertas,
querendo viver mais um pouquinho,
com pavor do Jesus Está Chamando;
a frase fatal os levará a conhecer o outro lado da vida,
o reverso da medalha, a morte, Leitor;
o seu Terceiro Milênio do Puríssimo Viver Com Louvor
será o da Tecnologia Avançada de Intercâmbios Impessoais e Amores Filtrados por Máquinas Insensíveis;
Aquário da Paz Futurista regerá o seu Terceiro Milênio, Amadinho!...

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

ODISSÉIA MARIA DO POBRE BRASIL MAL-AMADO NO SÉCULO XX FINADO - 1998 / 1999

ODISSÉIA MARIA DO POBRE BRASIL MAL-AMADO NO SÉCULO XX FINADO - 1998 / 1999

NEUZA MACHADO

SEPTIMO CANTO - 3


... quomodo eu Odisséia estava a contar,
os Poucos Muito Ricos e Bobos Fanáticos Romanos do Século XX Sem o Ar da Bondade,
aqui no Brasil Varonil,
digo, o Século XX de 1998 Final,
estão ainda presos à Velha Ideologia Religiosa Romana da Idade Média,
eles não pensam no Pobrinho Brasileirinho Miudinho sem pão,
eles acham que o Salvador da Pobreza,
para eles acreditarem!,
virá ao Brasil num Futuro Qualquer
e se mostrará com as antigas túnicas dos habitantes de Nazareth, na Judéia,
quando ali apareceu pela primeira vez e habitou entre nós,
ou, então, com a forma das figuras européias antigas,
cabelos longos,
olhos azuis,
um bello exemplar da raça ariana tão dignificada pelos adeptos ricos da chamada raça pura;
mas é isto, meu Leitor Brasileiro Bem Amado Politicamente aí no Futuro Sem-Muro!,
meu Leitor Brasileiro do Século XXI,
Século XXII,
Século XXIII,
do Terceiro Milênio,
quiçá do Quarto, do Quinto, do Sexto,
Você, meu Grande Amor do Futuro Brasileiro!,
só existirá se a Terrível Profecia de Nostradamus não se cumprir;
mas, acredite, de verdade,
em meados de 1999 os Planetas Maiores da Astrologia do Ontem se alinharão,
todos muito próximos,
quase todos, quero dizer,
não todos, apenas os mais Poderosos,
Plutão Milionário em Sagitário,
alguns Planetas Milionários Menores em Capricórnio,
Urano Milionário e Netuno Milionário em Aquário do Pote de Ouro,
e assim por diante,
e isto é Prenúncio de Mudança Drástica,
talvez, o Fim do Mundo Rotundo dos Pobrinhos Brasileiros Tão Sudorosos!;
raciocine! meu Rico Leitor do Futuro do Brasil,
o Fim do Mundo foi previsto para o Dia 13 de Novembro de 1982
(consulte aí em sua Internet do Futuro!)
e nada aconteceu!,
resta-lhe uma verdadeira expectativa política para os Pobrinhos Brasileirinhos
e Você existirá, acredite!,
os pseudo-profetas milionários que não amam o Pobrinho Brasileiro
continuarão a existir,
o Mundo Rotundo continuará no mesmo lugar,
mesmo que no Anno que vem, 1999, aconteça uma hecatombe,
o Sacrifício de milhares e milhares e milhares de Seres Humanos Pobrinhos Brasileirinhos,
os que ousam implorar aos cristãos do Brasil Varonil por um pedaço de pão,
no lugar dos cem bois da mitologia do Ontem Pagão,
Você existirá no Terceiro Milênio Verdadeiramente Cristão,
e haverá de ler estas Linhas Enroladas,
escritas no Final do Século XX-1998,
o Século XX do Rico Cristão Brasilês Sem Coração,
esquecido dos Milhões e Milhões e Milhões de Famintos Pobrinhos Brasileiros Sem Carne e Sem Pão,
neste Final de Século XX AntiCristão...

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

ODISSÉIA MARIA DO FINAL ARRASADO DO BRASIL DO SÉCULO XX FINADO - 1998 / 1999

ODISSÉIA MARIA DO FINAL ARRASADO DO BRASIL DO SÉCULO XX FINADO - 1998 / 1999

NEUZA MACHADO

SEPTIMO CANTO - 2


... mas, é isto mesmo!,
aqui no Brasil Varonil,
neste momento, Final de Segundo Milênio-1998,
o Mundo em Geral é uma Loucura Total, é o Caos;
as Grandes Potências do Mundo do Norte Ocidental e Adjacências Subalternas,
os Adjacentes Subalternos Inferiores que se dizem Superiores,
querem acabar com as Imensas Comunidades do Sul e do Leste e Nordeste e Oeste,
neste Final de Século XX-1998,
mandam mísseis mortíferos através de uma longa distância arrasando tudo,
querem exterminar o Populoso Mundo Com Fome, Raimundo!,
Você não existirá no Terceiro Milênio Sem Fome,
se o Mundo acabar!,
Você do Futuro Sem-Muro, entendeu?,
não sei se terei Leitores no Século XXI do Terceiro Milênio,
as Grandes Potências do Norte Imperial e seus Grandes Caciques querem a Profecia de Nostradamus se realizando,
não sei se Você do Futuro Seguro existirá;
o Anno vem aí, 1999,
o Anno Aziago,
o Anno Profético,
o Anno Assinalará o Fim,
dos mil passará, aos dois mil não chegará;
Nostradamus, no Século XVI, profetizou o Fim;
por isso estamos esperando a Volta do Verdadeiro Salvador do Mundo Sem Água e Sem Pão;
ele virá na calada da noite
e muitos que se dizem de seu rebanho não serão reconhecidos por ele,
muitos clamando “Senhor!, Senhor!”;
por isto, não sou fanática religiosa,
gostaria de ser reconhecida por ele, mas também quero reconhecê-lo,
reconhecer o Salvador da Humanidade Sofredora Sem Água e Sem Pão quando ele voltar novamente à Terra no Terceiro Milênio Cristão,
ou no Anno que vem do Final do Segundo Milênio Ainda Cristão,
quando ele chegar;
ele virá no Anno que vem!, 1999;
lembre-se sempre das Datas Reveladoras e da Profecia Fatal,
aos dois mil não chegará!;
quando ele chegar,
o Salvador estará de terno e gravata
ou então com roupas de padre,
assim meio parecido com o Padre Marcelo,
o Católico Romano Padre-Cantor do Brasil Varonil,
uma multidão de fiéis o segue neste Final de Anno de 1998 aos maiores Estádios do Brasil Varonil,
quando as rádios e televisões do Brasil anunciam a presença dele nesses locais públicos;
ou, então, usando roupas esportivas quomodo qualquer homem animado de hoje;
o meu Salvador virá com a aparência de homem dinâmico,
só os Ativos e Enérgicos são Revolucionários,
e cantando e orando e sorrindo e chorando,
quomodo os mortais sensacionais do Século XXI...

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

ODISSÉIA MARIA DO FINAL ASTRAL DO SÉCULO XX ANORMAL - 1998 / 1999

ODISSÉIA MARIA DO FINAL ASTRAL DO SÉCULO XX ANORMAL - 1998 / 1999

NEUZA MACHADO

SEPTIMO CANTO - 1


... mas, eu estava a contar-lhe,
esta minha Viagem é deveras enrolada;
o Século XX foi até hoje,
Final do Anno de 1998,
um Século Engrumado;
não se pode fazer nada bem se não estamos bem!,
este Final de Século XX-1998
no Brasil Varonil
não está nada bem,
mas eu estou muito bem, sim Senhor!;
não se pode realizar nada bem sem estarmos apaixonados, meu Senhor,
e eu estou enamorada sim, meu Amor!;
estou apaixonada pelo Brasil Varonil;
mas, como eu ia contando,
não sei escrever versos hexâmetros,
não sei escrever versos heróicos-decassílabos também;
a minha Viagem do Final do Século XX-1998/1999
é uma Viagem em melódica prosa intermitente
e cheia de curvas e retornos,
sem paradas de ônibus,
sem aeroportos seguros,
apesar dos Tropeços nas Terríveis Pedras Diárias
e das Nuvens Escuras do Céu Astrológico,
inseguros,
a minha prosa terá de ter ritmo,
neste Final de Anno Insano de 1998,
terá um ritmo depéquebrado;
a minha continua,
não posso deixar de falar da Lua situada em Sagitário,
o meu Sol Esplendoroso também,
ambos reinando em Sagitário,
ainda o meu Marte Rompante em Sagitário Viajante também,
disputando o espaço apertado com o Sol e a Lua,
e a Lilith Faceira da Astrologia de Ontem, ora!, quem diria!, também em Sagitário Quiromante;
para finalizar, isto já está prolongado!,
que Bello Stellium possuo!,
não posso deixar de mencionar a presença,
no espaço apertado,
da Cauda Volumosa do Incomparável Dragão de São Jorge,
a Brilhante e Engenhosa Cabeça,
não podia deixar de ser,
está localizada no Signo de Gêmeos;
atravessei o Magnífico Portal da Vida Terrena nos Annos Quarenta,
não s’esqueça das Datas Reveladoras da Verdadeira Astrologia do Ontem!;
mas, como eu ia dizendo,
não posso deixar de falar da Lua Astrológica,
a minha, já lhe disse, em Sagitário;
nasci em uma Segunda-Feira com a Lua em Sagitário;
desculpe-me por ser tautológica,
amado Netinho do Século XXI,
é só para você resolver o Enigma de minha Vida Enrolada,
ou, então, se perder na Epopéia Pós-Moderna de meus pensamentos labirínticos;
nasci numa Segunda-Feira,
naquele Distante Dia em que os deuses de Hammurabi Sétimo Rei da Babilônia pronunciaram meu nome,
comandados por Marduc, o deus supremo,
detentor dos Destinos do Reino Babilônico,
aquele poderoso da Festa do Aquitu,
e as Novíssimas Parcas Bondosas do Século XX,
três amigas-madrinhas mui carinhosas!,
me ofereceram uma Vida de Sonhos
de Mil Matizes Azuis, Rosas, Brancos, Vermelhos e Doirados,
e qu’eu realizaria os meus Sonhos Azuis-Matizados;
elas direcionaram a minha Vida benfazejamente,
ensinaram-me a transformar o limão em limonada açucarada,
elas foram tão boazinhas e amáveis,
apesar de todas as pedras incômodas
espalhadas ao longo do longo longo Caminho;
mas, as minhas Luas Astrológicas Para-Sempre em Sagitário,
a Lua Branca Castíssima e a Lilith Moirena Fogosa;
a Lua Benigna e a Lua Bandida,
ambas exigindo para a minha Felicidade Amorosa um Sol Leonino,
quiçá Ariano;
por ora e agora, eu não ligo pra Sol Leonino,
não tenho atração por Sol Ariano,
apesar do meu Marte Rompante e do meu Sol Inflamante, ambos em Sagitário;
é este justamente o motivo de minha falta de atração por Leoninos e Arianos,
eles são muito Estrelos para o meu gosto Sertanejo Mineiro;
neste Final de Anno de 1998 queria um Sol Canceriano de Façanhas Incríveis
para me fazer Rica no Amor Imortal;
infelizmente, a minha Lua e Saturno não estão em Capricórnio,
minha Casa Astrológica da Riqueza Sentimental,
e, assim, baubau!, lá se foi o Sol Canceriano Para Sempre Amém;
na próxima parada, andando de lado,
esbarrarei, com certeza, com o Sol Virginiano da Floresta Equatorial,
mas a minha Lua não está em Peixes; baubau!,
lá se foi o Sol Virginiano Para Sempre Amém;
aliás, são tantos os Sóis Virginianos à minha volta!;
vejo-me rodeada por Organizados Sóis Virginianos dos Trabalhos Hercúleos,
eles querem qu’eu seja certinha e metódica, infelizmente não sou,
jamais agradarei a Sóis Virginianos Observadores e Críticos;
os Annos se embaralham em minha memória senil e eu não distingo as datas do Plano Vital,
neste Caleidoscópio Luminoso de minhas lembranças os virginianos me rodeiam e não me deixam Viajar,
mas eu romperei a incontável barreira virginiana, com certeza,
são tantos, são tantos,
uma Multidão de Virginianos Patriarcais Metódicos Guerreiros,
e ordinário, marche, meia-volta, volver,
seja ordeira, limpa e organizada,
trabalhe, trabalhe, trabalhe,
olhe as minúcias da vida, sagitariana,
não seja dispersiva, sagitariana,
cumpra seus deveres, sagitariana,
respeite as leis do mundo, sagitariana,
não busque o infinito, sagitariana,
coloque os pés na terra, sagitariana,
e a descompassada sagitariana murmurando amém!, amém!, amém!,
só Vocês Virginianos organizam a minha Vida, amém!,
o que seria de mim sem os Virginianos?, amém!,
dos Virginianos falarei depois, amém!,
se eu conseguir reatar este Fio de Ariadne Aracnídea dos Sonhos Enrolados, Amém!,
se eu não conseguir reatar o Fio da Viagem, Você do Futuro me perdoará;
só o Leitor do Futuro Século XXI compreenderá esta minha homérica Viagem por estes ares poluídos nunca dantes navegados,
esta minha épica realidade aqui neste Final de Segundo Milênio Entrançado-1998/1999;
ele comporá os elos perdidos do meu Fio Narrativo de Bicho-da-Seda,
saberá julgar com equidade,
com muito sentimento de justiça e compaixão,
a minha confusão mental e existencial,
sim, procurará reorganizar o Caos Sem-Igual que foi o Século XX Final
e a minha Vida Desorganizada;
Você do Futuro Sem-Muro está reorganizando tudo, agora,
voltando ao Início para melhor compreender,
escuto envolta em um halo de mágicas e infinitas palavras seus sonoros palavrões malsinando o aqui dito;
ai!, quanta confusão!,
não compreendo nada!,
quanta loucura!,
o que será PVC?...

terça-feira, 12 de outubro de 2010

ODISSÉIA MARIA DO FINAL POLUÍDO DO SÉCULO XX - 1998 / 1999

ODISSÉIA MARIA DO FINAL POLUÍDO DO SÉCULO XX - 1998 / 1999

NEUZA MACHADO

SEXTO CANTO


PROPOSIÇÃO


...mas, monami do Futuro,
retomando o Fio de Ariadne Aracnídea da Epo-Novella Enrolada,
reconto-lhe os feitos da anti-heroina cinquentona astuciosa e fragmentada
do Século XX Final - 1999,
sua peregrinação nesses Ares Poluídos nunca dantes navegados por nenhum Brilhante Foguete de Carreira Espacial,
des aquele Início de Viagem em 12 de Dezembro de 1998,
véspera do Dia Dedicado a Santa Luzia Protectora dos Cegos Borromeus de Carangola de Minas Gerais Sem-Igual;
agora, neste Anno Insano de 1999, estou sozinha no Rio de Janeiro,
eu, Circe Calíope da Ilha Mágica dos Brasileiros Heróicos,
Veneranda Calipso da Côncava Gruta da Rua Garibaldi da Floresta da Tijuca,
Dianna Valente Väjira Diamante dos Ocidentais e Orientais;
para os íntimos, Odisséia Maria Guerreira Indomável,
Descendente de Emiliano Martins Sant’Anna,
ou Emilianno Guerreiro de Brises Caçador de Onças Pintadas e Jaguatiricas Noturnas e Gatas do Mato nas Florestas Encantadas de Minas Gerais,
pai de minha Gran Mother Joana Martins Damatta D’Amorim,
a Jane Coragem do Interior do Brasil Varonil;
então!, neste Anno Insano de 1999,
estou acá à procura do Ulisses Saturnino Ponderoso da Silva,
à procura do Incrível e Insólito Amor Transcendental Epo-Ficcional
ou daquele amor endinheirado das causas do mundo;
neste final de Segundo Milênio, todos idolatram o vil metal;
eu não sou diferente de ninguém, saiba Você, óh! Leitor do Século XXI Incomum;
Você aí no Futuro Sem-Muro do Século XXI pensando que essa Viajante do Tempo Perdido é uma heroína boazinha do Século XX;
ledo engano, seu Pagano!,
nasci no Século da Ambição Desmedida,
tudo continua por aqui como dantes,
nada mudou no Quartel de Abrantes;
por isso, vou sair à procura do Futuro Ulisses Endinheirado da Selva Ponderoso;
quando eu me apoderar dele e do dinheiro dele,
já ia escrevendo “do seu dinheiro”,
quando eu me apossar do dinheiro suado de Ulisses Jupiteriano da Selva Equatorial,
jogarei todas as Notas Ficcionais ou Reais para o Alto,
ou, quem sabe?, da janela de um Avião Supersônico Com Certeza! Sem-Igual,
aquele Avião Imaginário que o Ulisses Ulissiponente me dará de presente;
em verdade, guardarei o bastante para as minhas inúmeras Viagens lírico-epo-ficcionais,
mesmo assim, jogarei a Metade pela Janela do Avião;
o dinheiro jogado pela Janela do Avião aplacará a Fome Tristonha
(preste atenção na Data do Anno em questão)
dos Actuais Seculares Seis Milhões de Famintos do Brasil Varonil,
neste Próximo Anno de 1999,
e os Pobrezins Tão Magrins terão a sua Parte do Bolo de Enrolo de Arroz Brasileiro;
corro e corro atrás do Ulisses Endinheirado Pra Lá De Fogoso;
neste Anno Insano de 1999,
estou pensando em seduzir o Dagoberto Terrestre,
o homem mais rico do Brasil Varonil;
ou, quem sabe?, o Sálvio dos Anjos,
o dono do Baú da Felicidade-Sem-Fim,
um baú cheio de riquezas mil;
depois pagarei a dívida FMI Sem-Fim do País
e distribuirei o restante da Fortuna com os Pobrinhos Mortais do Nordeste Brasileiro;
o Leitor do Século XXI está pensando,
exatamente agora,
neste Momento do Futuro Sem-Muro,
no quanto sou ambiciosa,
e não se enganou, não Senhor!!!,
sou mesmo uma Mulher Ambiciosa do Final do Século XX
e vou Tomar a Armadura Poderosa e Brilhante do meu Pai Greco-Romano-Português-Africano-Carangolano
e vou sair por aí em Pelejas Sem Fim...

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

ODISSÉIA MARIA DO FINAL ESOTÉRICO DO SÉCULO XX - 1998 / 1999

ODISSÉIA MARIA DO FINAL ESOTÉRICO DO SÉCULO XX - 1998 / 1999

NEUZA MACHADO

QUINTO CANTO - 3


... Deus me livre e guarde de uma Horrorosa Inquisição Intelectual neste Final de Segundo Milênio no Brasil Varonil!,
Deus me livre e guarde de uma Tenebricosa Inquisição Intelectual e Política neste Diacrônico Anno de 1999;
oh! Deus Misericordioso!,
Deus me livre de ser mal compreendida neste Final do Século XX Sem Sal;
eu só quero viajar tranquilamente nestas minhas humildes páginas ficcionais;
não atiro pedras em ninguém,
sou covarde e medrosa,
não nasci para o papel de heroína!,
pobre criatura pusilânime sou eu,
de alma pequenina, sim senhor!,
fracota de ânimo, sim senhor!,
não tenho muita firmeza na vida, não senhor!,
tão pouco sou decidida, meu Senhor!;
apenas vou vivendo a minha vidinha sem graça;
mas muito feliz, graças a Deus!!!;
tive muuuuuuita sorte por nascer sob a proteção de Júpiter Justiceiro do Esoterismo Brasileiro,
e vou começar o Janeiro de 1999 com o pé direito, sim Senhor!,
e comerei à Meia-Noite do Anno Novo sete sementes de uva italiana,
para ter muita sorte durante o Anno Todo de 1999;
e usarei uma calcinha amarela de baixo-americana,
para ter muita sorte com money no Anno de 1999, só se for americana;
e vestirei um vestido branco rendado francês para ter muita paz e grandiosa felicidade cheirosa
no Próximo Anno de 1999;
e usarei um anel de cobra indiana para conquistar o tal amor saradão bonitão prometido por Vênus Dengosa da Suprema Paixão Sem-Razão no já mencionado Orago Astral de 1999,
a Sagrada Cobra do Amor Indiano, e et cœtera e etc e etc e tal;
e brindarei com autêntica champanha francesa fabricada made in Brazil no Anno de 1999;
sou uma doutora caipira pra lá de metida, neste Final de Segundo Milênio Sem Sal de 1999;
e cantarei louvores ao Senhor Redentor no Anno de 1999,
Ele sempre me protegeu com amor;
na verdade só Deus Pai me protege e ampara, amém,
as crenças esotéricas são a mania deste Final de Segundo Milênio Atrasado de 1999;
atrasado aqui no Brasil Varonil de 1999, quero dizer!;
é bem verdade!, há alguns fanáticos esotéricos e alguns Magos Gloriosos andando por aqui,
mas eu não sou fanática, graças a Deus!,
apenas me distraio dos problemas normais lendo revistas esotéricas mensais;
o que seria de mim, neste Final de Século e de Segundo Milênio,
o que seria de mim no Anno de 1999,
em meio a esta realidade praláde caótica,
se não tivesse essas gotas de ilusão empurrando-me para frente?!!!;
mas, como eu ia dizendo, no próximo Anno Novo de 1999,
cantarei louvores ao Senhor Redentor,
abençoarei meus Filhos Supermaravilhosos,
meus Filhos queridos!,
desejando-lhes muitas alegrias e saúde nos trezentos e sessenta e cinco dias do Penúltimo Anno do Famigerado e Decadente Século XX-1999,
estendendo as minhas bênçãos maternas para todos os Outros Annos Gloriosos Vindouros do Renovado Século XXI...

domingo, 10 de outubro de 2010

ODISSÉIA MARIA DO FINAL ESOTÉRICO DO SÉCULO XX - 1998 / 1999

ODISSÉIA MARIA DO FINAL ESOTÉRICO DO SÉCULO XX - 1998 / 1999

NEUZA MACHADO

QUINTO CANTO - 2


... de qualquer maneira,
em realidade,
só conto mesmo é comigo,
neste Dezembro Sem Sal do Anno Encrenqueiro de 1998,
e não terei quem acenda uma vela por mim na hora da travessia final para o Reino dos Mortos do Além-Vital;
todavia, para mim,
a grande travessia é esta Epo-Viagem,
Viagem dentro de mim,
desnudando os mais íntimos recantos de minha alma peregrina,
trazendo à luz meus ficcionais desejos escondidos,
relembrando o distante Futuro Sem-Muro do Brasil Varonil, um Futuro Replecto de Felicidades Mil no Século XXI;
sim senhor, em 31 de Dezembro de 1999,
daqui a alguns meses e uns dias,
na passagem para o Anno 2000
virarei a Página do Enganoso Passado Político do Brasil Varonil;
Novos Horizontes vão abrir-se para mim,
e o Último Anno do Segundo Milênio de Cristo será a coroação de tudo;
por enquanto, 1998 ainda não acabou,
e eu retorno de 2001 feliz da vida,
lá eu encontrei a minha Verdade Secreta Secretíssima,
verdade ainda não descoberta,
descobrirei com certeza!;
deixo agora os Annos Vindouros em paz,
por enquanto, politicamente, neste Final de 1998 não há mais nada que fazer, meu Rapaz!,
meu Rapaz do Futuro Sem-Muro do Brasil Varonil Cor de Anil!,
e recupero o Passado Encantado de 1991,
numa Fantástica Insólita e Estupenda Viagem de Volta ao Passado Dourado, em Paris,
quando vi pela primeira vez a Bonitinha Torre Eiffel
e pude pensar na Grandeza Imagística do Brasil Varonil replecto de Belezas Mil;
mesmo assim, sinto saudade,
muita vontade de rever Paris,
passear no Boulevard Saint Michel e no Boulevard Saint-Germain,
visitar o Arco do Triunfo,
rever a Vênus de Millus e a Gioconda Italiana domiciliadas em Paris;
elas deveriam estar na Itália, mas estão em Paris, monami!;
beba um cálice de aguardente pra queimar a língua ferina!;
oh, Odisséia Maria do Sertão de Minas Gerais!,
que Deus a proteja, Mulher!...

sábado, 9 de outubro de 2010

ODISSÉIA MARIA DO FINAL ESOTÉRICO DO SÉCULO XX - 1998 / 1999

ODISSÉIA MARIA DO FINAL ESOTÉRICO DO SÉCULO XX - 1998 / 1999

NEUZA MACHADO

QUINTO CANTO - 1


SEGUNDO PEDIDO DE SOCORRO


... mas, como eu ia contando,
peço também a ajuda de São Sebastião de Milão
para guiar-me nesta viagem transcendental sem-igual;
meu São Sebastião hoje do Rio de Janeiro!,
Vossa Mercê, um mártir da fé,
protegei-me neste Infinito Aéreo Caminho!,
quero chegar sã e salva,
neste Brioso Avião Imaginário das Ilusões Perdidas
em Pasargada,
lá eu sou amiga do Rei Manuel Venturoso Poeta do Século XX Brasileiro,
e terei o homem musculoso e heróico e sensacional que eu quiser,
na confortável cama que escolherei,
mesmo que esse homem não seja o próprio Manuel,
aquele não deu bandeira na Irene no céu,
mesmo que esse homem não seja o João Rosa,
paixão antiga e esplendorosa,
minha intelectual paixão sertaneja;
mas, como eu ia dizendo,
retomando o fio de Ariadne Aracnídea do Misterioso Tecido Enrolado
a Conduzir-Me ao Território de Vênus Conselheira Amorosa,
ela nunca me faltou em meus epo-liro-ficcionais casos de amor,
neste Dia 16 de Dezembro de 1998,
preste atençããão aos sinais do Calendário Cristão!,
com ela transitando em Capricórnio das Altas e Inóspitas Montanhas da Antiga Grécia,
minha Casa Dois das Finanças Voláteis Reais no Horóscopo Solar
e Casa Três no Mapa do Ascendente,
vou com certeza obter o esperado,
por intermédio de um telefonema, quem sabe?;
ou de uma carta;
ou mesmo quando eu sair do Casulo de Seda Preciosa da Rua Garibaldi da Tijuca,
neste Dia 16 de Dezembro de 1998,
para passear na Cidade Maravilhosa do Brasil Varonil;
lá com certeza um velho financista
divorciado charmoso endinheirado e carinhoso
estará em uma esquina qualquer;
para fisgá-lo, bastar-me-á estar alerta,
com os sentidos e olhos bem abertos,
e quem sabe?, zás!,
com certa certeza certíssima,
uma aparência de Vênus Bonitona Dengosa e Brilhante
não me faltará desta vez;
hoje, 16 de Dezembro de 1998,
Marte Guerreiro Temível Terrível está favorável em Libra
e Urano Estranhíssimo Planeta superfavorável em Aquário,
em seu domicílio de facto,
em seu domicílio legal,
e com a Lua Escorpiana Brilhante
passando para o signo de Sagitário Arqueiro Centauro
às 13 horas e quarenta e cinco minutos,
horário de Verão no Rio de Janeiro Altaneiro,
e com o Sol Exuberante dos Vaidosos Leoninos brilhando em Sagitário,
meu signo querido e especial,
sorte a minha ter nascido em Sagitário!,
hoje, Dia 16 de Dezembro de 1998,
inclusive com Marte Muito Garboso Machão em Libra,
como eu ia dizendo,
com certa certeza esbarrarei por aí com alguém desse signo;
os librianos sempre se enredaram em minhas teias epo-ficcionais,
não sei o motivo?,
o meu pouco conhecimento em Astrologia Pós-Moderna
ainda não me permitiu compreender;
quando eu nasci,
lá pel as bandas de Minas Gerais,
Netuno estava em Libra,
solitariamente em Libra, quero dizer,
mas eu não sei qual é a força de Netuno
em minha sortuda vida terrena;
Netuno, hoje, 16 de Dezembro de 1998,
se encontra em Aquário,
segundo os Astrólogos Adivinhos do Brasil Varonil,
o Aguadeiro beneficia o Jovial Arqueiro;
assim, com certeza,
esbarrarei por aí com algum libriano taludo fortudo e cheio de gás...

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

ODISSÉIA MARIA SEM GLÓRIA INTELECTUAL NO FINAL DO SÉCULO XX ANORMAL - 1998 / 1999

ODISSÉIA MARIA SEM GLÓRIA INTELECTUAL NO FINAL DO SÉCULO XX ANORMAL - 1998 / 1999

NEUZA MACHADO

QUARTO CANTO - 6


... entretanto, neste Final de Século XX,
Dia 15 de Dezembro de 1998,
em meio a um Temporal Sem Igual Anormal,
atravessando a Ponte Brilhante Longitudinal,
perdi melancolicamente o Patamar da Glória Intelectual,
viajo em direção a São Gonçalo do Estado do Rio de Janeiro
neste Ônibus Assinalado
cuja placa é RJ 117 117,
vindo da Rua do Passeio Glorioso,
uma rua encantada do Rio de Janeiro, agitada,
a Cidade mais linda do Mundo Rotundo,
em direção a São Gonçalo Casamenteiro Padroeiro das solteironas portuguesas,
e o Velhíssimo Motorista não sabe que o personalizo agora,
nestas Páginas Mágicas de Mágicas Retortas,
a Curva Mágica do Baco Pastoral,
Páginas de Vidro ou de Louça com Gargalo Recurvo Replecto de Química Rosada,
por intermédio de minha caneta mágica e esotérica
comprada no Bazar Ilusões de Minas Gerais;
nem mesmo o rapaz sentado à esquerda,
jovem de óculos de tartaruga brilhantes azuis
e usando calça jeans de índigo blue,
cujo nome não sei!,
mas gostaria de perguntar o seu nome, rapaz!;
não sei se devo!,
mas vou perguntar assim mesmo,
sentindo as dores mortais da coluna
arruinada pelo tempo sem tempo que vem de nortada,
a PVC não me deixa em paz sequer um momento;
o jovem gentil é estudante
da Escola Técnica Federal do Rio de Janeiro Altaneiro,
está no Primeiro Anno do Curso de Mecânica Futurista,
tem 16 anos e se chama Eduardo;
Eduardo Primeiro, Rei das Moçoilas, mora em São Gonçalo,
no Bairro Paraíso do Canhão da Ágora para ser mais exata;
no Paraíso de São Gonçalo, Leitor!,
existe um Cinzento Canhão de Guerra no Centro da Praça;
Eduardo, o Primeiro, está preocupado com seu venerável papai;
Papai Saturnino Severo de Antiga Linhagem Talvez Européia
está voltando também do trabalho estafante,
viajando também em um Ônibus Velho,
e com certeza estará enfrentando também
o engarrafamento colossal sem-igual,
talvez agora também atravessando a Imensurável
Incomensurável Estupenda Ponte Rio-Niterói,
a Última Grandiosa Maravilha do Século XX,
Mil Vezes Maior do que o Memorável Colosso de Rodes da Antiga Civilização,
neste Incerto Trajeto da História do Mundo Rotundo;
coitadinho do pai de Eduardo Primeiro,
meu temporário amiguinho do Ônibus Assinalado,
estará certamente passando por momentos terríveis incríveis também,
atravessando a Ponte Dos Que Lutam Para Ganhar A Vida Todos Os Dias,
debaixo do Fenomenal Temporal Apocalíptico e Político
do Final de Anno de 1998,
e desconhece, coitado!, a aflição de seu filhinho Eduardo, o Primeiro;
graças a Alá dos Antigos Muçulmanos,
o filho foi visitar a avó tão velhinha;
mas, graças a um Gênio Ruim do Deserto Muçulmano,
quando retornou para casa,
o Eduardo foi obrigado a conhecer o Inferno de Dante Alighieri D’Itália e Florença;
enfim, Alá protegeu o jovem Eduardo,
São Brás desentupiu as ruas de São Gonçalo Padroeiro,
Santa Bárbara acalmou
a Futura Tempestade Esquerdista Tupiniquim do Próximo Século XXI,
Santa Luzia dos Cegos Borromeus de Carangola,
minha padroeira,
guiou mais ou menos o Velho Motorista temporariamente sem Rumo Certo de Boa Política,
e nosotros rompemos os Obstáculos Gigantescos da Falta de Cuidado Político com o Estado do Rio
neste Anno Insano de 1998,
quero dizer, três horas presos dentro daquela Caldeira Infernal,
rompemos, nosotros, os Obstáculos
nosotros os “pobrinhos brasileiros sem digno soldo” rompemos os Obstáculos,
Graças ao Deus dos Hebreus e também dos Cristãos!;
eu, triunfante, mas ainda sem digno soldo,
Odisséia Maria Professora Guerreira do Século XX Desequilibrado
pude subir as Escadarias do Templo do Glorioso Saber de São Gonçalo
sem ter molhado sequer um fio de cabelo;
subi as Escadarias,
assinei o ponto de minha presença no Recinto Sagrado,
pratiquei alguns necessários rictuais,
e fui cumprir a minha obrigação de sofressora horista,
realizar o meu bem amado trabalho,
senão, como pagar as contas mensais e os impostos Impostos
e et cœtera e tal?;
porsupuesto,
tudo isto aconteceu neste memorável Dia 15 de Dezembro de 1998,
preste atenção às Datas do Mundo Cristão!;
entretanto, os Astros já haviam previsto tais ocorrências;
assim predisseram os Imensuráveis
Incomensuráveis Magos Adivinhos dos Vaticínios Astrais do Século XX;
e tudo terminou bem!,
a Lua estava favorável em Escorpião,
Marte Benfazejo Apesar de Brigão em Libra,
e Urano Rei Por Um Bom Tempo Tranqüilamente Em Aquário,
Urano Esquisito reinará em Aquário ainda por muitos annos,
até 30 de Dezembro de 2003 do Terceiro Milênio;
além disto, o oráculo do Dia 15 de Dezembro de 1998
intimava-me a fazer meditação para equilibrar o astral,
e foi exatamente o que pratiquei
durante a travessia pavorosa tenebricosa tenebrosa horrorosa do Mar Agitado de Lethes Fluminense;
no entanto,
a minha caneta esotérica de Madagascar me diz que ando devagar,
digo, a divagar,
e não conto os contos que deveria contar...

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

ODISSÉIA MARIA SEM SOLDO MENSAL NO FINAL DO SÉCULO XX ANORMAL - 1998 / 1999

ODISSÉIA MARIA SEM SOLDO MENSAL NO FINAL DO SÉCULO XX ANORMAL - 1998 / 1999

NEUZA MACHADO

QUARTO CANTO - 5


... mas, como ia contando,
já estamos parados há uns 179 minutos;
este dia de Dezembro de 1998 ficará eternamente marcado em minha memória sem-fim,
este dia ficará marcado para sempre no espaço intermediário de meu Calendário Astrológico da Duração Perpétua,
suspenso no tempo do pensamento individual,
suspenso entre o antes e o depois,
o passado e o futuro,
quomodo um dia me disse o meu inesquecível filosófico amor Bachelard,
momento inesquecível este de 1998,
quomodo ensinou-me o inesquecível francês-camponês,
naquelas tardes excitantes do início dos anos 90,
enquanto eu escrevia uma excitante e ambiciosa tese de doutorado;
neste momento praláde tumultuado!
saí do patamar da Glória Intelectual Sem-Igual,
o meu Título Suado de Doctora Suada não vale muito no Brasil
neste Final de Segundo Milênio Malfadado,
não significa nada no Brasil Varonil,
só os Homens-doutores não Doutores ganham muito muito muito dinheiro em minha Terra Explorada
neste Final de Segundo Milênio Anormal,
defender Tese é em verdade ilusão na Terra do Ão;
no entanto, mesmo assim, defendi a minha vontade inabalável,
a vontade de me tornar uma veirota doutora sem eira nem beira,
a lutar contra o Patriarcal Preconceito que inutiliza a Mulher Brasileira no Brasil Altaneiro;
mas, quomodo ia dizendo,
o meu título de doutora não significa muito por acá,
neste Final de Anno de 1998, no Brasil, quero dizer!,
viajo de ônibus para trabalhar, trabalhar, trabalhar;
no meu caso, significa ganhar o pão,
receber um minguado salário para pagar as contas,
as inúmeras contas e os impostos Impostos altíssimos;
não há jeito de driblar o Imposto de Renda neste 1998,
o Terribilíssimo Felino Voraz;
não há jeito de diminuir o Imposto Predial e Territorial Urbano,
o famigerado IPTU do Brasil Varonil
neste Anno mui louco de 1998;
os inúmeros impostos Impostos me deixam mui louca,
os impostos Impostos para solucionarem os problemas do País Varonil,
e quem paga sempre é o pobre assalariado, existe também o aposentado vagabundo,
ele não tem nem mesmo o sal do salário para temperar a sopa de domingo, coitado!;
se hoje não tem, amanhã deusdará,
amanhã Deus me dará o emprego com ânsia almejada,
almejo trabalhar pertinho de casa,
para não enfrentar esses ônibus lotados e as longas distâncias,
afinal a PVC está em meus calos,
e os velhos aposentados vagabundos morrem nas filas do INSS;
se os velhos não trabalham, são vagamundos
no Mundo Rotundo
e no Brasil Varonil com seus cem vezes seiscentos desempregados mil,
neste Anno Insano de 1998;
assim pensa a brasileira minoria doutora pra lá de privilegiada, endinheirada e cheirosa...

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

ODISSÉIA MARIA PITONISA SERTANEJA DO FINAL DO SÉCULO XX - 1998 / 1999

ODISSÉIA MARIA PITONISA SERTANEJA DO FINAL DO SÉCULO XX - 1998 / 1999

NEUZA MACHADO

QUARTO CANTO - 4


Nossa Senhora da Penha Mais Alta
cuidará deste momento terrivelmente tenebricoso e danoso do Mês Final de 1998;
o Ônibus Lotado, agora, vai atravessar a Mimética Via Férrea dos Novos Trens Imaginários das Linhas Silenciosas,
a Via Férrea Longa Infinita do Bairro das Neves Eternas de Niterói
e por São Gonçalo do Estado do Rio também,
e vai a direção do infinito-sem-fim dos meus sonhos dourados;
o Ônibus Lotado, agora, atravessa a linha divisora,
aquela divide o Norte Silencioso das Idéias Ficcionais Geniais do Sul Barulhento da Massa Concreta;
e está na Hora do Popular Trem Fantasma dos Parques de Diversões de Outrora passar, senhor Doutor;
nós vamos atravessar sim a Linha Imaginária da Reinvindicação Popular Trabalista do Fantástico Trem dos Meus Sonhos de Infância;
eu que nasci e cresci num Alto de Serra Of Hinterland de Minas Gerais,
perto do Pontilhão de Ferro que corta o Sertão do Reino Antigão,
uma verdadeira obra-de-arte importada da Bélgica,
o Pontilhão da Leopoldina-Princesa e da Velha Maria-Fumaça,
a Via Férrea dos meus sonhos de infância dourados,
me levando e embalando-me até Lacerdina;
mas, agora, o Outro Apito Estridente do Trem Totalitário do Bairro das Neves Eternais vai acordar-me
e eu verei a dolorosa realidade que está a cercar-me;
neste Mês de Dezembro de 1998 eu estava sonolenta,
dormindo dentro de Antigo Ônibus Praláde Velhusco;
o Ônibus parado dentro da Lama Cheirosa e das Pedras Cheirosas;
o barulho infernal das buzinas em volta;
Nossa Senhora das Reais Causas Perdidas é poderosa e vai ajudar-me,
vou rezar um rosário de lágrimas e risos agradecendo a ajuda,
e pedirei por todos os “Verdadeiros Pobrinhos” Passageiros do Ônibus
anteriormente assinalados para uma Viagem jornalística-folhetinesca;
darei graças e louvores ao Rei dos Reis dos Cristãos,
e acenderei muitas velas em agradecimento fervoroso e repleto de fé
por ajudar-me a vencer este tristonho momento de ré;
aproveitarei o momento de muita tensão,
neste Final de 1998 Enrolão,
nessas horas as rezas saem espontâneas e límpidas,
e pedirei a Nossa Senhora da Penha Mais Alta permanente proteção,
pedirei a Deus que ofereça aos Brasileiros Trabalhadores “Pobrinhos”
umas Ruas Brasileiras Sem Lamas Cheirosas e Pedras Cheirosas no Século XXI,
pedirei por todos os Desconhecidos "Pobrinhos" do Ônibus Lotado,
por meus pais já falecidos,
per meus Irmãos Vagamundos do Mundo Rotundo;
agora, neste Momento de Dezembro de 1998 todos gritam e falam impropérios e reclamam,
e os carros buzinam, buzinam, buzinam,
o barulho é pior do que o do Inferno de Dante,
o calor é mais forte do que o calor das labaredas subterrâneas infernais,
neste dia 15 de dezembro de 1998,
às 17 horas da tarde,
horário de Verão no Brasil Varonil...

terça-feira, 5 de outubro de 2010

ODISSÉIA MARIA PITONISA SERTANEJA DO FINAL DO SÉCULO XX - 1998 / 1999

ODISSÉIA MARIA PITONISA SERTANEJA DO FINAL DO SÉCULO XX - 1998 / 1999

NEUZA MACHADO

QUARTO CANTO - 3


... por sorte, a minha mágica e preciosa caneta esferográfica está em minha bolsa neste Final de Anno de 1998
(preste atenção por favor! Meu Irmão! às Datas do Ontem do Calendário Cristão!),
o meu Caderno de Políticas Anotações a Comentar as Políticas Direitistas Armações está na Bolsa de minha Viagem Temporal também
neste Mês de Dezembro de 1998;
o que não tem remédio, remediado está;
por ora e agora,
neste momento de 1998,
só me resta esperar que os Santos do Céu e Outros Protectores Mui Merecedores nos socorram, Amém!,
comandados pelo Valente São Brás Eversor de Sinistros Obstáculos Plantados e Envenenados;
todos os aqui invocados Desentupindo o Futuro Luminoso Vitorioso Limpinho do Futuro Caminho Brasileiro Bonitinho, Amém!,
no momento desta escrita replecto de Lama Cheirosa
e Sujeira Cheirosa
e Espinho Cheiroso,
que Cheiro ruim, oh meu Deus!;
vou rezar mesmo é a Salve Rainha Mãe de Jesus,
para proteger os Verdadeiramente “Pobrinhos” do Ônibus Lotado
nessas horas de homéricas e insanas Disputas Políticas do Final do Segundo Milênio Encrenqueiro;
eu, Sofressora Horista,
neste Mês de Dezembro de 1998
estou também dentro do Ônibus dos Verdadeiramente “Pobrinhos” Trabalhadores Sem Digno Soldo
e das Pobres Mulheres Sofressoras Professoras Doctoras sem Digno Soldo também
e sei que o Povão Sofredor do Ônibus do Velho Insensato Condutor sairá Vencedor no Futuro Redentor
(eu lhe disse, meu Irmão!, “Mulheres”, por favor, rejeite aí no Futuro do Terceiro Milênio o Milenar Preconceito Patriarcal contra as Mulheres Doctoras e as Mui Simples também);
óh, meu Deus dos Hebreus!,
a fé das origens é muito mais forte!;
o Perigo Direitista ronda esta tarde sinistra funesta danosa medonha do Final de 1998!;
não permita Senhor!, que o Perigo Direitista continue no Brasil no Século XXI;
confio em Nossa Senhora do Perpétuo Socorro dos Momentos de Aperto,
ela solucionará os imediatos e desastrosos e dolorosos e insolúveis problemas do Mês de Dezembro de 1998
e os Perigos Tais não voltarão, nunca mais!;
o Brasileiro Ônibus do Povão Sofredor enfrentará a Lama
e as Pedras
e os Espinhos
e sairá Vencedor,
sim Senhor!...

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

ODISSÉIA MARIA PITONISA SERTANEJA DO FINAL DO SÉCULO XX - 1998 / 1999

ODISSÉIA MARIA PITONISA SERTANEJA DO FINAL DO SÉCULO XX - 1998 / 1999

NEUZA MACHADO

QUARTO CANTO - 2


... por isso rezo a Deus todos os dias
neste Final de 1998,
não é fácil cuidar de uma Grande Casa cobiçada pelo Mundo Inteiro!;
o Poderoso Chefão de 1998 pode se desmazelar e se transformar em Diminuto Fantoche de Estrangeiro Invejoso;
mas, quomodo o cogitado, estamos parados dentro do rio-rua,
e penso e repenso e não paro de pensar,
nem mesmo Caronte Mitológico
das Histórias Antigas
enfrentou tantos problemas sociais
ao levar as almas gregas afamadas para o Hades Tenebroso,
atravessando, com sua barquinha branquinha, tão mítica!,
o Rio Lethes das Almas Penadas,
ou mesmo quando transportou Dante Alighieri D’Itália
em uma Viagem pelo Inferno Medieval,
numa Famigerada Famosa Divina Comédia
à moda pré-renascentista do século XIV;
na verdade, aqui, no momento,
neste Final de 1998,
o Inferno de Dante se faz presente,
há no ar um dantesco Calor Infernal,
o Brasileiro Ônibus Velhusco força os motores num barulho provindo das Quentes Ardentes Profundezas;
neste momento, 1998, preste atenção!,
lá vai ele, devagarzinho, quase parando,
devagar-quase-parando,
ainda não pifou,
não deu prego, quomodo se diz no Norte e Nordeste do Brasil Varonil;
coitadinha da cidade de São Gonçalo!,
tão jogadinha e abandonada nesse Anno de 1998,
servindo de plataforma política para os políticos do Estado do Rio
neste Final de 1998;
agora, lá vamos nós!;
eu, aqui, no meio do Povo Sofredor
que está voltando do trabalho estafante,
vou agora para o trabalho nosso de cada dia;
trabalho de noite e durmo de dia;
na hora do meu nascimento fui abençoada, Graças a Deus!,
desta vez o suplício terminou,
ainda não,
desta vez o suplício vai terminar,
parece que vai terminar,
penso que está quase terminando;
o Orago Astrológico do dia garantiu-me uma bellíssima tarde sem problemas,
está para existir um oráculo mais fajuto do que este neste Final de Século XX-1998,
o Temporal de hoje não está para brincadeiras, não,
mesmo assim, confio em minha Vastíssima Sorte Sagitariana,
Vênus Estrelíssima não me vai faltar desta vez,
Vênus Madrinha do Trabalho Exemplar
e da Saúde Regular
e do Amor Estrelar não me vai faltar,
não senhor,
eu sou monoteísta com muito fervor,
o meu Deus é maior do que o Orago Astrológico
e nas horas de aperto só penso em Deus Pai;
Graças a Deus!, até agora o Ônibus Brasileiro não enguiçou;
e rom-room-rom-roooom, lááááááá vamos nóóóós!,
este trecho de minha Viagem não quer acabar;
infelizmente o rom-rom-rom foi alarme falso,
o Ônibus Brasileiro de 1998 continua parado no Centro da Lama Pegajosa e do Lixo Pegajoso;
e que Lama Terríííível, meu Deus!;
há milhares de ônibus à nossa volta e à nossa frente,
todos parados, indefesos, no meio da lama
que está a impedir o Caminho Certinho,
num Homérico Brasileiro Engarrafamento,
num Colossal e Barulhento Problema de Trânsito,
Deus me livre e guarde de tal Momento Sinistro!...

sábado, 2 de outubro de 2010

ODISSÉIA MARIA PITONISA SERTANEJA DO FINAL DO SÉCULO XX - 1998 / 1999

ODISSÉIA MARIA PITONISA SERTANEJA DO FINAL DO SÉCULO XX - 1998 / 1999

NEUZA MACHADO

QUARTO CANTO - 1


...neste Final de Anno de 1998,
atravessei o dia e seu perigo
na Ponte do Arco da Aliança Entre Mortais e Imortais,
agora, posso retomar a minha Viagem Real;
infelizmente,
neste minuto-mito do tempo,
não verei os navios do Cais de Niterói,
não imaginarei bellas incríveis aventuras de marinheiros,
olhando de longe o Almirante Guillén;
esta minha viagem marítima a bordo de um brasileiro ônibus velho continua,
o anoso veículo brasileiro enfrenta agora as ruas abandonadas e alagadas do Bairro de Neves Eternas do Rio de Janeiro
e de São Paulo,
a poucos minutos de São Gonçalo do dito Estado do Rio,
vai ser difícil chegar na hora certa no doloroso trabalho diário,
o dito cujo é velhíssimo e não consegue atravessar a grande corrente de lama
que vai do Rio a São Paulo;
seja o que Deus quiser!,
óh, Mulher Brasileira do Final do Segundo Milênio!,
lutando contra o Eterno Patriarcal Preconceito contra a Guerreira Mulher Brasileira!,
mesmo se tivesse de ficar parada aqui até o apocalipse total,
esperando as coisas melhorarem no Reino do Ão,
neste Final de Noventa e Oito praláde cansadão,
prest’atençããão!, meu Irmão!;
talvez os políticos brasileiros deste Final de 1998
resolvam fazer algumas obras na Cidade Maravilhosa do Rio,
quiçá em São Paulo,
quiçá em Minas Gerais,
quiçá em Brasília,
quiçá no Brasil Varonil Inteirinho e Arredores;
por favor, Futuros Oradores de 1999!,
não fiquem aí só prometendo,
cumpram pelo menos a metade das promessas já feitas;
por isso agora eu confio no Governador Menininho,
Actual Governador do Estado do Rio de Janeiro Altaneiro,
no momento, neste Anno de 1998, preste mui atenção!
(não sei se vou continuar confiando!, não sei!),
confio por ora no Menininho,
ao Menininho do Rio de Janeiro dedico esta minha viagem sonhada,
ele é um crente em Jesus e jamais fará algo que desrespeite as Leis do Senhor,
pelo menos eu espero tal sorte, neste final de 1998,
preste atenção!, Anno de 1998,
pois não confio na Gerência Actual do Todo do Brasil Varonil deste Anno de 1998,
e conto com a misericórdia divina para colocar no Planalto Central do Brasil Varonil,
nas próximas esperadas eleições de Outubro de 2002,
Alguém Carismático Popular e Sincero,
Alguém que se preocupe cada vez mais com o Sofrido Povão Brasileiro,
um Político sem lero-lero,
Alguém que se preocupe realmente com o Povo Brasileiro
e não faça nada de desabonador, não senhor!,
lembrando-se sempre, o Confiável Futuro Carismático,
antes de tudo,
de sua Função Primordial,
o eleito pelo Povão Sofredor para cuidar da Nossa Casa Brasil com carinho e amor
(com muita certeza, se isto acontecer,
Vou Cantar Epopéias Sinceras ao Carismático do Futuro Sem-Muro do Brasil Varonil;
bem entendido!, Meu Irmão?! preste atenção!,
o Carismático Popular do Futuro!);
o Actual, deste Anno da Graça de 1998,
preste atenção!, eu disse 1998,
foi eleito no passado para cuidar da casa
e a Casa-Brasil pertence principalmente ao Povão Brasileiro;
será que o Actual da República,
neste Anno de 1998,
preste atenção!, Anno de 1998,
cuida direito de nossa casa!,
será?